Boa noite! Domingo, 17 de junho de 2018

Marco Aurélio solta mandante do assassinato de Dorothy Stang

Postado em 29/05/2018 as 16:16:31
Por Daniele Bragança

Local onde Dorothy Stang foi assassinada há 13 anos. Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil.

O ministro do STF, Marco Aurélio Mello, concedeu na quinta-feira (24) um habeas corpus ao fazendeiro Regivaldo Galvão, o Taradão, condenado por encomendar a morte da missionária Dorothy Stang, assassinada em 2005. O ministro afirmou que a execução da pena a partir da 2ª instância é “precária” e “não tem efeito vinculante”. Ou seja, cada ministro deve decidir com base no próprio entendimento.

E foi o que o ministro fez, concedendo o benefício para que o fazendeiro aguarde em liberdade todas as apelações feitas nas instâncias superiores do Judiciário. Regivaldo foi solto na tarde desta sexta-feira (25).

Reginaldo Galvão foi condenado a 30 anos de prisão pelo Tribunal do Júri em abril de 2010, apontado como o principal mandante crime. Em agosto de 2012, recebeu o primeiro habeas corpus. Ele ficou livre até julho de 2017, quando o STF revogou o dispositivo e ele voltou para à cadeia. A defesa apelou ao Superior Tribunal de Justiça (STJ), perdeu, e apelou de novo, dessa vez para o STF, onde teve o pedido aceito.

Dorothy Stang foi assassinada com 6 tiros enquanto caminhava por uma estrada de difícil acesso em Anapu, no Pará. Tinha 73 anos. A emboscada foi encomendada por fazendeiros insatisfeitos com o trabalho da religiosa, que lutava pela criação dos assentamentos Esperança e Virola-Jatobá, alvo de disputa entre fazendeiros e assentados. O local já era reconhecido pelo Incra como pertencente à União, mas os fazendeiros reclamavam pela posse da área.

Impunidade

Impunidade: placa em homenagem à Irmã Dorothy está crivada de balas. Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil.

A Comissão Pastoral da Terra soltou nota repudiando a decisão do ministro. Segundo a Pastoral, a impunidade alimenta a violência no campo.

“Vivemos a lamentável situação em que autoridades de diversas instâncias, tanto do Executivo, quanto do Legislativo e do Judiciário dão o suporte que esses latifundiários precisam para continuar impondo seus interesses sobre os povos e comunidades”, diz a nota.

Em 2009, uma placa em homenagem à Dorothy Stang e outros "mártires que tombaram na luta pela preservação da floresta e reforma agrária na Amazônia" foi pregada numa árvore no município onde a missionária foi morta. Em 2015, a Agência Brasil foi até o local e constatou que a placa ainda estava lá, porém crivada de balas, um alerta nada sutil sobre qual o destino esperado para quem ousa contrariar os interesses dos poderosos locais.

Fonte: O Eco

Link: http://www.oeco.org.br/noticias/marco-aurelio-solta-mandante-do-assassinato-de-dorothy-stang/

Rua Bernal do Couto, 1329, bairro: Umarizal, CEP: 66055-080 - Belém/PA
Tel.: (91) 4005-3751 / (91) 4005-3755| E-mail: fundodema@fase.org.br
CNPJ: 33.700.956/0004-06